Prefeitos eleitos são orientados a driblar problemas econômicos

Christian Rizzi/Gazeta do Povo

Christian Rizzi/Gazeta do Povo / Encontro, em Foz do Iguaçu, reúne 350 prefeitos e vices do Paraná Encontro, em Foz do Iguaçu, reúne 350 prefeitos e vices do Paraná
A boa gestão dos recursos públicos no primeiro ano de mandato é fundamental para os prefeitos garantirem o equilíbrio orçamentário durante toda a administração. Essa é uma das principais orientações dadas por especialistas reunidos desde quarta-feira no 2.º Encontro de Prefeitas e Prefeitos Eleitos do Paraná, realizado em Foz do Iguaçu. O evento, que termina hoje, é promovido pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano (Sedu) e conta com a participação de cerca de 350 prefeitos e vices de todo o estado.

Entre os assuntos que entraram em discussão está a busca de alternativas para minimizar os efeitos da crise econômica mundial. Oficinas de capacitação organizadas pelo Sebrae-PR orientam os novos chefes do Executivo a investir melhor os recursos do município e a viabilizar programas por meio de parcerias com todas as esferas de governo, iniciativa privada e instituições de apoio. “O melhor, neste momento, é manter os investimentos em infra-estrutura e programas de geração de renda”, sugere o coordenador do Programa de Estudos Avançados para Líderes Públicos, Mário Figueiredo.
Figueiredo explica que as mudanças no cenário econômico mundial podem afetar os municípios apenas indiretamente, mas os administradores devem ser cautelosos. “Não podemos subestimar esta crise, que dá sinais de ser tão devastadora ou até maior que a crise mundial de 1929. Mas se acovardar e não agir pode causar conseqüências ainda mais graves.” Por isso, diz ele, é muito importante desenvolver ações concretas, principalmente nos cem primeiros dias de mandato.

Para o prefeito eleito de Santa Mônica – município do noroeste paranaense com orçamento mensal de R$ 400 mil –, Antônio Carlos Mileski (PP), a crise preocupa porque não se sabe ainda até que ponto municípios de pequeno porte podem ser atingidos. “O importante agora é se preparar tendo em mente que qualquer desarranjo na economia tem conseqüências diretas no social. E arcar com o social é uma das funções básicas de uma prefeitura.”

Diante da ameaça de reduções orçamentárias drásticas, o consultor do Sebrae-PR, Cláudio Serrato, recomenda que propostas de campanha e prioridades de governo precisam estar aliadas a uma administração voltada para a gestão estratégica. “É preciso pensar em uma administração a longo prazo, a fim de solucionar, não apenas remediar os problemas.”

Fonte: FOZ DO IGUAÇU - Fabiula Wurmeister, da sucursal gazeta do povo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: