Paranense na elite do surfe é de Matinhos

Valterci Santos/Gazeta do Povo / A paranaense, que nesta semana surfou as ondas de Matinhos, se prepara para a primeira etapa do WCT, em Gold Coast, Austrália

Matinhos – Aos 4 anos de idade, Bruna Schmitz teve seu primeiro contato com o mar. A garotinha, nascida em Salto do Lontra, a 400 quilômetros do Litoral, chorou. Assustada com as ondas, logo correu para o colo da mãe.

Hoje, com 18 anos, ela mostra que não só superou o medo, mas que fez das ondas suas aliadas para conquistar o mundo. Surfista profissional, vai disputar neste ano o WCT, a série A do esporte. Depois de correr o WQS (a divisão de acesso) com mais de 200 atletas, ela será a primeira mulher paranaense a fazer parte da elite do surfe. Além dela, somente outros dois surfistas paranaenses já disputaram o WCT: Peterson Rosa e Jihad Kohdr.

O primeiro compromisso de Bruna já é neste mês. De 28 de fevereiro a 11 de março as melhores do mundo se enfrentam na bateria de estreia do Circuito Mundial 2009, em Gold Coast, Austrália. “Espero aprender muito com as surfistas mais experientes. A expectativa é surfar muito e aprender. Quero evoluir. E ficar entre as dez primeiras (o que a manteria no WCT de 2010) seria sensacional”, almeja.

Chegar até o topo, no entanto, exigiu dela esforço, muita dedicação e a renúncia de uma juventude normal. Ir a festas, perder noite em baladas? Bruna não sabe o que é isso. “Ela não bebe, não fuma e treina muito todos os dias. A vida dela é o surfe, por isso teve de abdicar de muita coisa para chegar ao topo”, diz orgulhosa a mãe, Fernanda Schmitz.

O dom para dominar a prancha é um mistério. Fernanda já tentou pegar onda, mas desistiu. O pai, Valdemar, é funcionário público do estado. Quem despertou a paixão dela pelas ondas foi o irmão mais velho, Alessandro. “Eu via meu irmão surfar e ficava fascinada”, relembra. A relação dela com a prancha começou aos 9 anos, quando começaram as primeiras manobras. “Daí em diante, com treinos diários de até oito horas, as coisas aconteceram naturalmente”, conta a mãe.

O mar, porém, nunca foi de rosas. “É um esporte que necessita de investimento no atleta, tudo é muito caro”, contou Bruna, que acredita que falta mais incentivo do governo para os atletas.

O estudo foi outro entrave. “A Bruna sempre se dedicou muito no colégio porque ela sabe que a vida de surfista é curta. Ela quer fazer faculdade de moda para criar uma marca de roupa com o nome dela. E ela tinha decidido que se não entrasse no WCT em três anos largaria a prancha e iria se dedicar ao estudo”, contou Fernanda.

Além de desfrutar da melhor fase da carreira, Bruna está muito bem na questão amorosa. Há dois anos ela namora o surfista francês Jeremy Flores. O relacionamento começou no Havaí durante um campeonato. “Trocamos telefone e e-mail e passamos a manter contato. Acabamos nos encontrando depois na Austrália, e aí foi”, disse um pouco tímida. Jeremy também corre o WCT e hoje está entre os 10 melhores do mundo. “Ele me ensina e ajuda muito. É uma inspiração para mim”, contou. Aliás, conta ela, o local onde o namorado vive foi o melhor pico em que já surfou. “Ele mora no arquipélago Nova Caledônia (território francês localizado na Oceania). Foram as melhores ondas que eu peguei”, disse.Fonte rpc

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: